Anahp | Área Restrita

Gestão da diabetes é tema de Café da Manhã Anahp


O orçamento destinado ao setor da saúde tornou-se um problema não só no Brasil, mas em todo o mundo. O envelhecimento populacional, somado aos hábitos alimentares inadequados, tem sobrecarregado o sistema com os custos de doenças crônicas como a diabetes, por exemplo. Como melhorar a qualidade de vida desta população sem uma disparada irrefreável dos custos?

Quem tentou responder esta pergunta foi a Medtronic, em parceria com a Anahp, durante o café da manhã “Desafios e soluções na gestão do paciente com diabetes”, realizado na terça-feira (7). Para Francis Albert Fuji, Gerente de Economia da Saúde da Medtronic Brasil, a indústria sabe do impacto financeiro para o sistema e clínico para o paciente de novos produtos e tecnologias, e “sabendo disso não podemos agregar custo em alguns países que sabemos já estarem à beira da falência”.

Para o executivo, é fundamental implementar a cultura da medição dos desfechos clínicos se os hospitais quiserem gerar valor para o paciente e otimizar custos e resultados. “Se eu melhorar a eficiência do meu sistema, posso ajudar o cliente de forma mais correta e beneficiar o paciente”, ponderou Fuji.

Diabetes
Em 2040, o número estimado de diabéticos no mundo deve superar os 640 milhões de pessoas, disse Rodrigo Silva, Gerente de Desenvolvimento de Novos Negócios – Diabetes da Medtronic Brasil. Doença global, a diabetes é responsável por uma série de doenças crônicas secundárias que também sobrecarregam o sistema, como cegueira, falência de rins e cardíaca, derrames e amputações, entre outros.

De olho no tamanho do problema, a rede de clínicas holandesa Diabeter, que conta com 5 unidades, tem adotado um programa de gestão de saúde populacional com cerca de 2 mil pessoas no país. Isso significa personalizar o acompanhamento de acordo com diferentes características do paciente (genéticas, metabólicas, psicossociais etc) e, a partir daí, escolher a terapêutica (bomba de insulina ou injeções) mais adequada.

“As pessoas não morrem de diabetes, morrem das complicações do diabetes”, ponderou Silva. O programa da Diabeter ampliou a qualidade e a expectativa de vida dos pacientes acompanhados, mantendo o nível glicêmico e reduzindo tempos de internação.

Baixe abaixo a apresentação utilizada pelos executivos da Medtronic durante o Café da Manhã Anahp.